segunda-feira, 30 de maio de 2011

Minha primeira bicicleta

Lembro de uma campanha publicitária da Caloi que marcou a minha infância. Nela as crianças escreviam bilhetes e deixavam em lugares estratégicos para lembrar a seus pais o que queriam de presente. Em todos os lugares possíveis tinham bilhetes com o lembrete: "Não esqueça a minha Caloi". Não encontrei o comercial que eu lembrava, mas achei um bem mais antigo, lá da década de 70, que ilustra a situação.


 A minha primeira bicicleta era uma daquelas bem pequenas, que a gente aprende a andar ainda com as rodinhas, aí tira a rodinha de um lado pra só depois andar sem nenhuma. Se não me engano, era uma bicicleta do Snoopy, vermelha com uns adesivos do personagem. Depois vieram outras, o tamanho foi aumentando até a adolescência, mas quando fiquei adulto perdi um pouco do interesse e não tive mais bicicletas. Aí veio o acidente. Vim parar na cadeira de rodas e bicicletas convencionais ficaram fora de cogitação, até que ouvi falar das handbikes. Comecei a pesquisar, procurar informações, mas não existiam fabricantes nacionais, só um modelo muito simples, sem graça, que não me agradou muito. Fui atrás das importadas e quase comprei uma pelo site bike-on, que tem muitas opções legais. Mas as bikes interessantes eram caras, o processo de importação um pouco complicado e a incidência de impostos as encarecia ainda mais, então adiei um pouco a compra.
Até que surgiu a Handvikn, o primeiro fabricante nacional, com um modelo bem interessante. Muito bonito e parecido com os modelos de competição. Pra inaugurar, a empresa fez uma promoção no blog Assim como você, um concurso cultural no qual a melhor resposta ganharia uma handbike e os vinte seguintes teriam um belo desconto na compra. Mandei a minha resposta, um poema que publiquei aqui no blog (clique aqui pra ler) e fiquei entre os vinte. Com o desconto, resolvi comprar minha bicicleta, que chegou semana passada.



Mas a chuva castigou Aracaju durante a semana e eu não pude testar o brinquedo, tive que aguentar a ansiedade. Ontem liguei pro meu primo Junior e fui com ele no Parque Augusto Franco, mais conhecido como Parque da Sementeira, e dei a primeira volta na bike. A experiência foi ótima, a sensação de velocidade que a bike proporciona é muito legal. A posição de "pilotagem" é quase deitada e fica bem próxima ao chão, o que aumenta ainda mais a sensação de velocidade. Dei várias voltas no parque e percebi que, graças ao basquete, meu condicionamento está em dia. Acelerei, desacelerei, peguei pequenos aclives, o que me possibilitou testar as marchas, tudo funcionou muito bem.
A handbike é um dos melhores investimentos que eu fiz como cadeirante, ela consegue proporcionar uma sensação de liberdade que fica muito restrita quando estamos na cadeira de rodas. A desvantagem dela é o tamanho, transportá-la vai exigir sempre a ajuda de outra pessoa, o que dificulta um pouco a situação. Mas o saldo é positivo, encontrei mais uma atividade que gostei de praticar e de quebra é uma melhora na qualidade de vida. Aos cadeirante que estiverem pensando em adquirir uma, eu recomendo. Aí estão as fotos do meu brinquedo novo, as imagens não ficaram muito boas porque já era noite e a câmera do celular do meu primo não ajudou muito, mas vale a intenção:



Em breve posto novas fotos e alguns vídeos. Beijo nas crianças!

3 comentários:

  1. Po, quero é filmagem. Que do cacete!

    ResponderExcluir
  2. Qdo o tio faz uma promoção, tudo o que espera é isso: que alguém, do outro lado, fique serelepe, fique satisfeito.... parabéns, negão! Curta o vento na cara... abrasss

    ResponderExcluir