sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Sonhos

Há algumas semanas aconteceu uma coisa que eu não sabia se devia dividir com todos aqui no blog. Nada demais, nada vergonhoso, mas eu sempre fui muito reservado e não sabia se ia me sentir à vontade pra revelar o acontecido. Enfim, refleti um pouco e cheguei a conclusão que não tem nenhum problema. Então aqui vai.
Tinha sido um dia cansativo, já era quase meia noite e eu tinha ido deitar. Cansado e com sono, fiquei devaneando antes de dormir. Estava naquele estágio, entre o acordado e o sono e comecei a imaginar uma festa aqui em casa. Família e amigos presentes, todo mundo bastante feliz, conversas pra cá e pra lá, até que me dou conta da razão daquela reunião.
No meu sonho, aquela festa estava sendo realizada pra comemorar a minha recuperação completa, a vitória sobre a lesão medular (se é que se pode chamar assim). Eu estava andando todo serelepe (o que não é grande novidade, é comum que eu me veja assim nos meus sonhos), conversando com todo mundo, sorrindo e ouvindo as histórias. Em determinado momento, pego o microfone pra fazer um discurso de agradecimento.
Nessa hora eu já estava mais desperto, o sono já tinha perdido pra empolgação que eu sentia, mas, mesmo meio acordado, eu não queria sair daquele sonho e continuei ensaiando o discurso. Agradecia ao meu pai pela dedicação incondicional; à minha mãe, que por um bom tempo abdicou da própria vida e do trabalho pra me acompanhar; aos meus dois irmãos, que nas palavras que me vinham à cabeça naquele momento, tinham sido, muitas vezes, minhas pernas esquerda e direita; tios, primos e amigos que estiveram presentes nos momentos difíceis.
De repente, as lágrimas que rolavam no sonho começaram a invadir a minha realidade e eu estava chorando de verdade, na cama, enrolado no lençol e sentindo como se aquilo estivesse mesmo acontecendo. Lembrei de toda a dor física e psicológica, dos planos desfeitos, das expectativas frustradas... tudo por que eu tinha passado ao longo desses cinco anos. Fiquei assim por alguns minutos, não sei ao certo quanto, até me recompor e voltar à realidade.
Quero dizer que eu não vivo remoendo o passado, não fico preso ao "e se", imaginando como as coisas teriam sido se isso não tivesse acontecido comigo. Nem acho isso saudável, o melhor mesmo é viver o presente e olhar para o futuro. Mas, pelo menos pra mim, o sonho de voltar a andar e controlar o meu corpo continua vivo, ainda que eu tenha escolhido viver a realidade como ela se apresenta hoje. A possibilidade de não voltar a andar existe e eu aprendo diariamente a lidar com ela, mas o sonho de recuperação está vivo e eu preciso dele pra seguir em frente. Essa é a minha maneira de ver as coisas, mas entendo que cada um tenha suas próprias experiências e expectativas.
Pra terminar, deixo dois trechos de duas músicas que gosto bastante e que, acredito, têm a ver comigo e com um pouco do que eu disse aqui:

Trecho de O Vencedor - Los Hermanos


"Eu que já não sou assim
Muito de ganhar
Junto às mãos ao meu redor
Faço o melhor que sou capaz
Só pra viver em paz"


Trecho de Além do que se vê - Los Hermanos

 "É preciso força pra sonhar e perceber
Que a estrada vai além do que se vê"

17 comentários:

  1. Me emocionou Roninho... você é muito mais forte do que imagina. E sei que se hoje fizesse uma festa em sua casa teria tido o mesmo discurso, porque os seus sentimentos em relação às pessoas que vc ama não mudaram, independente da possibilidade de andar sobre pernas ou sobre rodas! Bjo grande. Mariani Maciel

    ResponderExcluir
  2. Cajuzitoooo amei o post!!! Esse sonho tem que continuar vivo mesmo, pq é assim que buscamos a realidade! Saudades!! Bjs Ma

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Mááá! Saudades enormes, bjooos!

    ResponderExcluir
  4. " Você é quem decide o que vai ser eterno em você, no seu coração.
    Deus nos dá o dom de eternizar em nós o que vale a pena, e esquecer definitivamente aquilo que não vale... "Que Deus continue te guiando.Bj Michelle

    ResponderExcluir
  5. desde que te conheci eu tinha essa dúvida em relação a isso, mas como eu sou toda "anta" fiquei com vergonha de perguntar sobre as esperanças e vontade de voltar a andar... e fui deixando essa dúvida para trás no decorrer da nossa convivência pelo fato de perceber que você não se prende ao "e se".
    Não deixe de sonhar... Enquanto isso continue sendo esse minino legal que vc ééé
    Vou usar tbm um trecho de Los Hermanos para finalizar:
    (...)
    Pois é de Deus
    Tudo aquilo que não se pode ver
    E ao amanhã a gente não diz
    E ao coração que teima em bater
    avisa que é de se entregar o viver

    Pois é, até
    Onde o destino não previu
    Sei mas atrás vou até onde eu consegui
    Deixa o amanhã e a gente sorri
    (...)
    *Pois é

    vou deixar anônimo que quero ver se vc vai descobrir que fui eu quem postou... :P

    ResponderExcluir
  6. desde que te conheci eu tinha dúvidas em relação a isso, mas como eu sou toda "anta" fiquei com vergonha de perguntar sobre as possibilidades, esperanças e vontade de voltar a andar... e fui deixando essa dúvida para trás no decorrer da nossa convivência pelo fato de perceber que você não deixa de aproveitar (e como) o fato de estar vivo, pelo fato de usar as rodas como suas pernas, não sei o que você passou até chegar nesse estágio (tbm tenho vergonha de perguntar) mas ao menos para mim vc não deixa transparecer suas expectativas, andeios e bla bla bla.
    Tenho aprendido bastante coisas com você e os demais e as vezes fico me sentindo uma inútil por reclamar de coisas bobas.
    Mas enfim (vc q fala assim)
    Não deixe de sonhar... Enquanto isso continue sendo esse minino legal que vc ééé
    Vou usar tbm um trecho de Los Hermanos (sou fã incondicional) para finalizar:
    (...)
    Pois é de Deus
    Tudo aquilo que não se pode ver
    E ao amanhã a gente não diz
    E ao coração que teima em bater
    avisa que é de se entregar o viver

    Pois é, até
    Onde o destino não previu
    Sei mas atrás vou até onde eu consegui
    Deixa o amanhã e a gente sorri
    (...)
    *Pois é

    vou assinar naum... axo que vc sabe quem escreveu... AXXOOO
    bjaO mininu xatuuuu :P

    ResponderExcluir
  7. Minha amiga anônima, não sei quem você é. Não me deu nenhuma pista rsrsrs. Pode se revelar, por favor? Eu não vou tentar adivinhar pq se errar vai ficar feio hehehe. De qualquer forma, obrigado pelo comentário e não precisava ficar com vergonha de me perguntar. :)

    ResponderExcluir
  8. q bafom se eu colocasse filhote ou dissesse p vc pedir a benção qd fosse responder vc saberia??

    anonima e ação ainda

    ResponderExcluir
  9. Cristiana Maia Chaves9 de outubro de 2011 20:07

    Roninho,
    Lindo tudo o que escreveu! Me emocionei!
    Vc é um exemplo de vida, então aproveita mto essa vida que Deus Te deu...
    Torço por vc!
    Beijo sua prima
    Cristiana

    ResponderExcluir
  10. Brigado Nana! Eu sei que vc e todos torcem por mim aí e fico muito feliz. Sigo em frente em busca dos sonhos, n posso parar né? Beijão prima.

    ResponderExcluir
  11. Reservado porém corajoso!! Esse é o verdadeiro Roninho. Sonhos são desejos e movem a disposição para conquistar algo.Isso é bom e necessário. Mostra que vc tá vivo e pronto para continuar avançando. Adoramos vc ter compartilhado esse momento, fez com que nós nos sentissemos ali, na sua casa ouvindo seu discurso e quer saber? VC NÃO SONHA SÓ = )

    ResponderExcluir
  12. Brigado primos! É, um dia chego lá. Só não sei se no dia dessa festa vou ter condições de fazer discurso, dado o estado etílico em que me encontrarei...

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Sou aluna do curso de Lazer e Turismo pela Universidade de São Paulo e estou atualmente desenvolvendo um trabalho a respeito do lazer para cadeirantes em uma casa noturna de São Paulo. Gostaria de saber se há um e-mail de contato para enviar mais informações sobre este trabalho, caso seja de seu interesse.

    Obrigada!
    Att,
    Carolina
    carolina.yamauti.fernandes@usp.br

    ResponderExcluir