quinta-feira, 3 de setembro de 2009

O menor dos meus problemas.

Quando a gente pensa em paraplegia ou tetraplegia, a primeira coisa que vem à mente é a falta de movimentos, ou seja, que aquela pessoa não vai mais andar. Mas, de todos os inconvenientes que a lesão medular acarreta, talvez esse seja o mais fácil de conviver. Claro que deixar de andar é muito ruim, um fator extremamente limitante, mas se tem uma coisa que esses três anos me ensinaram é que existem problemas ainda maiores.
Pra quem não sabe, a lesão medular afeta todas as funções que estão localizadas abaixo dela, e quanto mais alta a lesão, mais limitante ela pode ser. Além dos movimentos, a lesão prejudica uma série de funções controladas pelo nosso cérebro, entre elas o controle da bexiga e do intestino. Se não fosse por cagar e mijar na hora errada, a vida do lesado medular seria bem mais tranqüila.
Pior que não conseguir andar, é a iminência de urinar ou defecar na hora errada, e a adaptação à nova realidade requer paciência, disciplina e planejamento. É um baita impacto na qualidade de vida, mas é preciso reaprender a conviver com o corpo pra poder retomar o convívio social. Existem uma série de adaptações pra tornar essa convivência, digamos, mais tranqüila, mas nada que resolva o problema.
Pra sair de casa eu preciso usar um coletor urinário de perna, uma espécie de bolsa que fica presa à perna, onde a urina é armazenada, que está ligada a uma mangueirinha que tem uma espécie de camisinha na ponta, quando a bolsa está muito cheia é só esvaziar no sanitário. Mas o problema não acaba por aí, como não tem mais o controle vesical, o lesado medular também precisa fazer o cateterismo pra conseguir esvaziar a bexiga por completo e evitar infecções urinárias, que podem até comprometer os rins. Sim, isso mesmo, passar uma sonda pela uretra até a bexiga (e dá um trabalho danado).




Coletor Urinário de Perna





Com a lesão, o intestino fica mais preguiçoso, mas pode funcionar a qualquer momento e sem aviso prévio. A solução é tentar condicioná-lo a funcionar regularmente pra não ter acidentes indesejáveis, cuidando da alimentação e criando uma rotina que facilite o seu funcionamento regular.
É... eu sei que parece um saco. E é mesmo, mas que opção eu tenho? Ou você se adapta ou fica trancado em casa vendo a vida passar. O que ajudaria bastante seria melhorar a acessibilidade, principalmente aumentando o número de banheiros acessíveis, mas enquanto isso não acontece, a gente vai levando como pode.
Além desses inconvenientes existem vários outros que dificultam a vida de um lesado medular, mas não vão faltar oportunidades pra falar a respeito. Por pior que a cadeira de rodas pareça, talvez ela seja o menor dos meus problemas.

6 comentários:

  1. Oi Ronald, nunca fiquei cadeirante por conta da Esclerose, mas já tive todo o resto por causa das lesões na mielina. As pessoas pensam que a cadeira é o mais difícil porque a cadeira é o que elas enxergam. Quando eu estou andando sem bengala as pessoas já dizem: então tu ta melhor hj né? Não necessariamente.
    Mas como eu sempre digo: não é o fim da vida. É apenas o início de uma outra.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. É Bruna, realmente a cadeira é tudo que as pessoas enxergam, então elas acham q o problema se resume a isso.
    Eu também costumo ouvir esse tipo de comentários: Vc já tá bem né? Daqui a pouco tá 100%. Mas isso acontece quando eu resolvo usar o andador e a órtese na perna, pra andar um pouco.
    Bem, vamo que vamo. Bola pra frente.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. ola Ronald,cara me chamo will tenho 28 anos e estou passando por muitas dificuldade,sofri um acidente de moto, onde fiquei praplegico no nivel t6 estou leigo no assunto gostaria que voce me ajudasse com algumas de suas esperiencia.por exemplo:se vc usa alguma coisa para ter controle da urina, o que vc usa para fazer o esvaziamento do intestino?por favor me ajuda!eu agradeço.

    ResponderExcluir
  4. E aí Will, blza? Te ajudo com o maior prazer cara, quanto tempo você tem de lesão? Me manda um email (emaildoronald@gmail.com) ou me passa seu msn que fica mais fácil de a gente conversar.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Bom conhece-lo. Me chamo Roberto e tbm sou cadeirante. Gostaria de passar a todos sobre o que tem me ajudado a manter um controle com infecçoes urinarias: trata-se do suco de cramberry. Apos o uso continuo deste suco, sao raras as mesmas, quem ja conhece sabe dos beneficios, e indico a todos esse maravilhoso suco que os medicos fazem vista grossa.
    Um abraço a todos.

    ResponderExcluir
  6. Valeu meu amigo Anônimo! Eu já ouvi falar bem do cranberry por conhecidos que usaram e pesquisei um pouco também, mas ainda não usei. Qualquer dia desses faço um post sobre ele aqui no blog. Se tiver material sobre ele, me manda por e-mail. Abraço

    ResponderExcluir